sexta-feira, 22 de abril de 2016

Análise: Mortal Kombat Conquest Parte 2



Na parte um escrevi apenas sobre o episódio piloto, explicando a proposta da série e algumas ideias conflitantes na série. Se você ainda não leu a primeira parte desta análise, recomendo que o faça pois a partir daqui explicarei os muitos problemas de inconsistência da história estabelecida.
Então... Lembram daquele probleminha com o Scorpion? Dele aparecer na história embora não seja a época em que ele existe, além do fato dele ter sido transformado em um escorpião e tudo mais? Piora. Piora muito. Assistindo apenas o episódio piloto, não parece uma série ruim. Apesar das inconsistências com a história do Scorpion, ela estabelece bem o tema da série, a motivação dos heróis e dos vilões. Porém, a série muitas vezes vai contra a própria proposta principal, e mesmo quando muda a proposta eles não continuam a nova história. Praticamente todos os episódios funcionam como um episódio fechado do He-Man com um início, meio conflitante e um final com conclusão e "moral da história".


Vamos do início, e com início me refiro ao episódio 2 "Realidade Fria" (ou "Cold Reality"). A partir desse episódio a série introduz mais personagens que não exatamente deveriam fazer parte da época em que é retratada. Em "Realidade Fria", Shang Tsung utiliza suas influencias com os Lin Kuei (pois é, fizeram os Lin Kuei serem vilões de novo, provavelmente por causa do filme) para matar Kung Lao. Os Lin Kuei então decidem enviar seu melhor assassino, Sub-Zero, para derrotar o Campeão de Earthrealm. Como esperado, Sub-Zero não deveria estar lá pois ele é de outra era. Isso não ocorre apenas com Sub-Zero e Scorpion, outros personagens que não deveriam estar lá aparecem, como Noob Saibot, Mileena, Reptile, Raiko. Embora eu pareça estar insistindo no mesmo assunto, acredite, é muito mais que isso. A aparição em si não incomoda. O que incomoda é que, por aparecerem em uma época diferente, eles agem diferente e até são escritos como um personagem completamente nada a ver com o original. Tipo Noob Saibot que ao invés de ser o espectro do primeiro Sub-Zero, o que assassinou Scorpion, revivido pelos poderes de Quan Chi, é transformado em algum tipo de ninja com poderes de óleo. PODERES DE ÓLEO. Ele até morre explodindo quando entra em contato com fogo, é ridículo.



Fora o problema de fidelidade sobre as histórias de cada personagem conhecido, a produção insiste em criar personagens da época para colocar mais recheio na série e prolongar ela. A série pode ser dividida em duas histórias: os episódios em que os heróis estão procurando por lutadores ou apenas treinando no posto enquanto esperam o próximo torneio; uma guerra entre os reinos que acontece por baixo dos panos. Essa separação causa outra inconsistência porque nenhuma das histórias completa a outra nem são devidamente finalizadas. Quando aparece alguém pra treinar com os heróis, ou eles se machucam ou morrem, eventualmente sendo esquecidos no episódio seguinte. Quando o episódio é sobre uma trama de Shao Kahn ou das abelhas (existe um exército de mulheres abelha nessa série que está em guerra com o Shao Kahn, esqueci de mencionar), as coisas se resolvem durante o episódio e nada é lembrado no episódio seguinte. Então quando finalmente chega o climax no episódio final, nada faz sentido e tudo parece uma perda de tempo. Eu queria acreditar que esses problemas só aconteceram por causa da mistura de idéias e personagens inconsistentes, mas acredito que mesmo se fizessem um seriado sobre o Mortal Kombat durante os acontecimentos do primeiro jogo ou segundo, ou se fizessem uma história sem nenhum personagem popular pois explica sobre a época do Grande Kung Lao, ainda assim cometeriam os mesmos erros. Isso fica claro em como todo episódio acontecimentos são esquecidos, as vezes os heróis arrumam rixas ilógicas entre si apesar de tudo o que já passaram juntos, e nenhum dos planos dos vilões se interligam na trama ou fazem sentido. É tudo tão ilógico que no último episódio Shao Kahn derrota todos seus inimigos usando uma coisa que não é mencionada em nenhum dos episódios da série, acontece do nada, é rápido, apressado e Raiden perde.



Os atores fizeram um bom trabalho, as cenas de luta são regulares mas a história que é o que melhor deveria ser trabalhado se tratando de uma época fora da história contada nos jogos. É possível se divertir com algumas falas, principalmente as do Raiden, e também descobrir essas inconsistências meio que torna engraçado as vezes, entretanto não deixa de ser um incômodo. Recomendo assistir com cautela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário